Sábado, 30 de Julho de 2011

MACAU - PADRE RUIZ

 
Morre aos 97 anos o padre Luis Ruiz, S. J., fundador da Cáritas Macau toda a vida dedicada aos mais necessitados

Macau (Agência Fides) - "Cidadão excelente que dedicou toda a vida ao serviço social em favor dos mais pobres e vulneráveis, levando-lhes calor e esperança": assim definiu Fernando Chui Sai, Administrador Especial da Região Especial de Macau, o padre Luis Ruiz Suarez, missionário jesuíta espanhol, fundador da Caritas Macau, que faleceu na noite de 26 de Julho aos 97 anos. Autoridades civis, líderes de outras comunidades e grupos católicos recordaram carinhosamente o padre Luis. A morte teve ampla repercussão na imprensa de Macau e do continente, que recordaram as suas obras.

 

O missionário jesuíta espanhol chegou a Macau em 1951, um ano depois do fim da guerra e começou rapidamente a assistir e a ajudar a massa de imigrantes que se encontravam em dificuldades. Fundou o "Centro de Serviço Social Matteo Ricci".
Em 1971, esta estrutura tornou-se parte da Diocese de Macau, aderindo à Caritas Internacional, e tornou-se a "Caritas Macau". Em 1970, fundou um Centro de acolhimento para portadores de deficiências e continuou a viajar em todo o continente chinês, oferecendo ajuda a doentes de Hanseníase (lepra) e de Sida.

As pessoas que o conheceram ou que trabalharam com ele dizem: "A missão é feita com gestos concretos. Vê-lo, é ver o próprio Jesus".
(NZ) (Agência Fides 28/07/2011)

 

 Eu, João Caniço, tive o privilégio de ter  estado com este Padre Ruiz duas vezes em Macau e uma em Lisboa. Quando fiz o meu  magistério em Timor (1966-1969), lia muitas coisas sobre a acção dele com os refugiados em Macau (no “HK Herald” e no “China News Analysis”), que me impressionavam muito. Encontrei-o sempre alegre, sempre activo e preocupado com os que não tinham nada, nem saúde. Sempre com ideias para ajudar mais e levar outros a ajudar também. Ainda aos 90 anos e tal. Era um outro Padre Cruz (este que faz hoje 152 anos de nascimento). Mais um santo jesuíta. Graças a Deus! (JC)

tags:
publicado por elosclubedelisboa às 12:47
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 24 de Junho de 2011

HOJE É DIA DE MACAU

 

http://rpdluz.tripod.com/projectomemoriamacaense/macau.datas.historicas.html

 

 Francisco Monção Leão

tags:
publicado por elosclubedelisboa às 15:06
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 9 de Junho de 2011

MACAU – Cultura e identidade que se perde

 

Igreja de S. Francisco Xavier, Coloane 

O que se pode esperar do futuro de uma terra que deixa morrer as suas tradições, em detrimento de um comercialismo desenfreado?

Ao longo dos anos, nos mais variados locais, vamos assistindo a um completo desrespeito pelos usos e costumes e um completo desleixo na sua preservação. Por exemplo, quem se lembra ainda da tradicional apanha do sargaço que sustentava imensas famílias no norte litoral português e que era base de uma economia de subsistência? Ou quem se lembra de uma outra tradição de cariz mais popular, em que, no Dia das Bruxas (agora chamam-lhe «Halloween») se andava de porta em porta a pedir o «Pão por Deus»? Actualmente, as crianças, por influência americana, dizem «Doçura ou Travessura» e nada sabem da tradição secular desse dia na Europa.

Macau, infelizmente, não foge à regra. Nos últimos dez anos, com o acelerado desenvolvimento da indústria do jogo e tudo o que a ele ficou associado, a sociedade tem evoluído num sentido que nem sempre é o mais indicado. Ainda me lembro que na década de noventa não precisávamos de fechar os carros à chave ou de estar receosos de que nos assaltassem na rua. Essas alterações de hábitos levam a que hoje não possamos deixar de estar preocupados com a cidade que deixamos para as gerações vindouras.

As tradições nesta terra desaparecem pouco a pouco, sem que ninguém se mostre muito interessado em mantê-las. Quem fazia por as registar e lutava para que não caíssem no esquecimento vai, a pouco e pouco, também desaparecendo. O exemplo do macaense Leonel Barros, falecido recentemente, é disso ilustrativo. Restam-nos os registos escritos, que agora urge preservar, pois se tal não acontecer, perderemos até a memória colectiva.

Na comunidade chinesa local há também pessoas que se dedicam à recolha e preservação das tradições. Pessoas que, anonimamente, vão tentando fazer com que as suas vivências não morram e não caiam no esquecimento desta sociedade cada vez mais «pseudo-desenvolvida». Esses trabalhos merecem e devem ser publicados nas duas línguas oficiais para conhecimento de todos. Um trabalho que cabe, por inerência de funções, ao Instituto Cultural. Conhecendo Guilherme Ung Vai Meng e sabendo do seu apreço por estas tradições, penso que muito será feito durante o seu mandato.

Só uma comunidade informada acerca de tudo, mas mesmo tudo o que a caracteriza, pode manter o seu traço original e diferenciar-se de outras que a rodeiam. Não consigo perceber como pode um povo desenvolver-se, quando não procura preservar as suas tradições. Uma terra sem passado não pode ser uma terra com um futuro brilhante.

As modernidades podem trazer, no imediato, benesses e bem-estar, mas daqui a uma ou duas gerações vamos perder valores, sem ter qualquer forma de os recuperar. Valores que, como qualquer outra forma enraizada de definição do traço característico de uma sociedade, estão intrinsecamente relacionados com as tradições, os viveres e o que de mais popular uma sociedade pode ter.

 


Não preservar essas características únicas é o primeiro passo para ser assimilado por completo, perdendo-se a identidade. Macau, se não houver uma protecção deste traço que liga a cultura chinesa (oriental) e a portuguesa (ocidental), passará a ser apenas um subúrbio de Zhuhai, sem qualquer característica própria, com excepção dos casinos e das apostas legais.


Actualmente, onde quer que nos desloquemos no território, vemos novos empreendimentos turísticos e habitacionais, que apenas trazem características importadas. O exemplo mais flagrante, embora não o pior, é o «Venetian», que nada tem a ver com Macau. O casino-hotel da «Wynn» afina pelo mesmo diapasão, nada introduzindo no campo da preservação ou inovação no conceito de encontro de culturas, próprio de Macau.

 

 

In O CLARIM – Semanário católico de Macauhttp://www.oclarim.com.mo/

 

 

tags:
publicado por elosclubedelisboa às 08:16
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. MACAU - PADRE RUIZ

. HOJE É DIA DE MACAU

. MACAU – Cultura e identid...

.arquivos

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds