Quinta-feira, 7 de Julho de 2011

COISAS DA ÍNDIA - 1

O

 


OS PECADOS DE BASTIÃO PIRES

 

Embarcou em Lisboa para a Ásia pouco depois de 1500. Foi Vigário geral da Ilha de Cochim, na Costa do Malabar. Ao Oeste e não muito distante situa-se a Serra da Pimenta, Cabo de Comorim um pouco mais ao Sul da Índia. Cochim foi base importante, dos portugueses, antes de Afonso de Albuquerque conquistar Goa, definitivamente, em 1510.

 

É dali, também, planeada a expansão lusa para a Costa do Coramandel, a Ilha do Ceilão, as aos Sul da Baía de Bengala até às do extremo Oriente. Bastião Pires, também conhecido por Sebastião, chega a Cochim nos anos de 1512. Em Lisboa, foi pároco de prestígio, confessor e Capelão de Sua Majestade Dom Manuel I.

 

O monarca Venturoso tem em Bastião um clérigo de sua confiança, nomeou-o Vigário-Geral de Cochim e manda segui-lo para a Índia arrebanhar cristãos; numa terra onde havia muitos infiéis, inclusivamente mouros, de tez escura, iguais aos de Marrocos e Tânger, que imensos trabalhos tinham dado aos portugueses escorraçá-los do Algarve para o Norte de África.

Trocou correspondência com o Rei Dom Manuel I; foi a Lisboa apresentar-lhe "queixinhas", dando-lhe conta do pouco zelo que à sua
fazenda lhe era dado na Ilha da Pimenta. Voltou à Índia. E, depois da morte do seu Rei protector, foi acusado: de crimes de peculato, de
"mulherengo" e acabou por desaparecer da arena política/religiosa da Índia.

Ficaria por lá ou Lopo Soares de Albergaria enviou-o para Lisboa a fim de prestar contas do que foi acusado. Pobre do padre Bastião
Pires.... que não conseguiu libertar-se da vingança dos adversários políticos do Grande Afonso Albuquerque depois de ter morrido. Isto acontece porque os dois tinham sido amigos.

 

A intriga era coisa comum entre os portugueses da época. Todos desejavam - fosse como fosse -, enriquecer sem escrúpulos. Não vamos
julgar o pároco Bastião Pires, tão-pouco condená-lo, pelas acusações que lhe foram feitas há quase 500 anos. Para atingirem objectivos, os fidalgos vaidosos, a gente de confiança de el-Rei, que depois o traiam na Índia, não olhavam a meios para regressarem poderosos a Lisboa.

 

Bangkok

 

 José Gomes Martins

tags:
publicado por elosclubedelisboa às 00:34
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. TE DEUM – JOÃO DOMINGOS B...

. Organização Mundial de Me...

. GALAICO-PORTUGUÊS - LÍNGU...

. MACAU - PADRE RUIZ

. PINTOR ANTÓNIO CASIMIRO

. COISAS DA ÍNDIA - 2

. Beato Diogo de Carvalho

. MUSEU DE ÉVORA

. REPORTAGEM

. “OMENS” SEM “H”

.arquivos

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds